Postado em 6 de janeiro de 2022

Em decisão unilateral, BB desrespeita trabalhadores ao divulgar novo manual contra COVID-19


Em decisão unilateral, a direção do Banco do Brasil divulgou um novo manual de segurança contra a Covid-19, na terça-feira (4). A empresa já vinha descumprindo as medidas previstas no manual anterior, produzido com base nas reivindicações das trabalhadoras e dos trabalhadores e acordado junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT) no âmbito federal.

Um dos pontos de segurança excluídos pelo banco foi o que estabelece o encerramento de unidades e dispensa de funcionários, para fins de higienização das dependências, quando confirmada a contaminação de um funcionário nas últimas 72 horas. Esse protocolo, em especial, foi um dos pontos discutidos exaustivamente com o movimento sindical no início de novembro, durante os debates para garantir o máximo de segurança aos funcionários do BB no processo de retorno gradual ao trabalho presencial.

“No momento em que o país volta a registrar o aumento de casos de Covid-19 e, agora, de epidemia cruzada com a gripe provocada pela H3N2, o banco, de forma unilateral, divulga um novo protocolo retirando medidas de segurança, que são baseadas na ciência, aumentando os riscos de contaminação e de transmissão entre os funcionários e os clientes”, expõe o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga.

“O momento é de redobrar o cuidado e a preocupação com os colegas e trabalhadores em geral, pois esse cenário de Pandemia e viroses traz grande preocupação para todos, pois em uma região com grande fluxo de turistas como a nossa, aumenta significamente o fluxo de pessoas nas unidades, deixando todos num clima mais tenso”, alerta João Bourgalber, diretor do nosso Sindicato.

Recentemente, o Sindicato dos bancários de São Paulo fez denúncias contra o diretor João Leocir Dal-Rosso Frescura, conhecido como Piti, pelo não cumprimento dos protocolos contra a Covid-19. Em pelo menos três casos confirmados de colegas infectados, Piti, que é responsável pelos prefixos vinculados à Diretoria de Operações (Diope), no Centro Empresarial São Paulo (Cenesp), teria se recusado a dispensar os funcionários das dependências que necessitavam de higienização, conforme o estabelecido no manual de segurança acordado junto ao MPT.

“O movimento sindical está acionando o MPT, diante do descaso do banco e da decisão unilateral dele em mudar os protocolos de segurança. Também continuaremos pressionando para garantir aos trabalhadores segurança por meio do trabalho remoto”, destacou o coordenador da CEBB.

Procure o seu  Sindicato

Os sindicatos continuam monitorando todos os locais de trabalho e alertando os bancários. Os representantes dos trabalhadores e trabalhadoras do BB pedem que, aqueles que sentirem seus direitos ameaçados, entrem em contato com suas respectivas bases.