Postado em 10 de julho de 2019

Morre, aos 77 anos, o jornalista Paulo Henrique Amorim


Sindicato promoveu Palestra e lançamento de Livro com PHA.

Em 58 anos de carreira, PHA passou por toda imprensa hegemônica que veio a batizar de Partido da Imprensa Golpista (PiG)

 

Jornalista passou por diversos veículos da mídia comercial, de quem sempre foi bastante crítico - Créditos: Brasil 247
Jornalista passou por diversos veículos da mídia comercial, de quem sempre foi bastante crítico / Brasil 247

O jornalista Paulo Henrique Amorim morreu na madrugada desta quarta-feira (10) no Rio de Janeiro. Após sair para jantar com amigos, o jornalista teve um infarto cardíaco já em sua casa.

Em 58 anos de carreira, Amorim passou por vários jornais, revistas, Programa televisivos, percorrendo quase todos grandes veículos e canais de mídia do Brasil. Recentemente, foi afastado do seu cargo como apresentador do Domingo Espetacular, que exercia desde 2006, da Record, o que atribuiu às suas críticas ao juiz Sérgio Moro e ao presidente e aliado da emissora, Jair Bolsonaro.

A experiência na mídia comercial o tornou bastante crítico com a imprensa hegemônica e o levou a ser um dos criadores e popularizadores do termo PiG, o Partido da Imprensa Golpista. Sua escrita e incisividade eram mais frequentes em seu no blog — e posteriormente portal — Conversa Afiada, que mantinha desde 2008.

Em 2016, O SindiBancarios promoveu uma palestra em Porto Seguro, no Centro Cultural com o jornalista, lotação máxima, e com intervenções calorosas. PHA foi solicito em responder as mais variadas perguntas. Abaixo parte do texto e fotos.

Paulo Henrique Amorim: “Globo sequestrou a justiça”

Com a afirmativa de que este governo golpista dura o tempo que a população quiser. O irreverente jornalista Paulo Henrique Amorim fez um afiado discurso na palestra concorrida na noite desta quinta a-feira (16/06), em Porto Seguro na Bahia,  realizado pelo Sindicato dos Bancários do Extremo Sul da Bahia.

Estudantes, profissionais da mídia, políticos, docentes, lideranças dos movimentos sociais e sindicais e a sociedade civil lotaram o auditório do Centro Cultural , para debater a conjuntura política que o país vivencia, as facetas pouco conhecidas dos meios de comunicação no Brasil e a intervenção da mídia no processo político.