Postado em 29 de outubro de 2020

Bradesco, que demite em massa, supera projeções e lucro cresce 30% no trimestre.


Segundo maior banco privado do país fatura R$5 bilhões de julho a setembro.

O Brasil está quebrado. Indústrias fechando, comércio falido, mais de 14 milhões de desempregados, 82 milhões endividados no SPC e a inflação de setembro de 0,64%, puxada pela alta da gasolina e alimentos, é  a maior em 17 anos. A crise econômica se aprofunda e afeta todos. Quase todos: os bancos continuam elevando os lucros em plena estagnação econômica agravada pela pandemia da Covid-19. É o caso do Bradesco, que teve um lucro de R$5 bilhões no terceiro trimestre de 2020. O resultado representa uma alta de 30%.

Apesar da dinheirama, como acontece com Itaú e Santander, a segunda maior instituição financeira privada do país também demite em massa, descumprindo acordo com a categoria de não dispensar trabalhadores durante o período da pandemia.